Ecologia das Pastagens

817

As pastagens são ecossistemas constituídos basicamente por plantas herbáceas que servem de alimento para herbívoros, geralmente de grande tamanho. Em nível mundial existem importantes extensões de pastagens selvagens: a estepe russa, a savana africana, a pradaria norte-americana, o pampa argentino e as planícies venezuelanas. Na Europa, ao contrário, a maior parte das pastagens, com exceção das alpinas, na alta montanha, são pastagens semi-naturais, utilizadas como exploração pecuária.

Hoje em dia considera-se que a pecuária extensiva, baseada nos ecossistemas de pastagens, sobre os quais sustenta-se, sabiamente praticada estimula o funcionamento produtivo e indefinidamente sustentável destes ecossistemas. Contribui por um lado para a manutenção da produção do ecossistema, e por outro para fazer útil e ordenar o território, ajudando assim a proteger o patrimônio natural. E é um componente importante na economia de populações rurais, cuja manutenção é muito importante na hora do ordenamento territorial.ecologia das pastagens

Bases Ecológicas da Exploração

Exploração natural das pastagens baseia-se no fato dos herbívoros, através do pastoreio, simplificarem as zonas florestais e de matagais, transformando-as em curtos ervaçais intercalados. Os animais, além disso, adubam as pastagens por meio de seus excrementos, o que permite a continuidade exploradora. Como regra geral, os consumidores (herbívoros) aceleram a reciclagem do sistema.

Ecologicamente delineia-se o problema de manter a estabilidade global do sistema, permitindo a exploração inclusive intensa em determinadas áreas. Isto é resolvido através da criação de estruturas reticulares, isto é, um mosaico de arbustos e zonas florestais que envolva as pastagens, e que proporcione a todo o sistema a estabilidade necessária para permitir a máxima produção compatível com a permanência do sistema. As zonas florestais intercaladas são, de fato, barreiras protetoras para as pastagens.

A exploração é um fenômeno normal na natureza, sempre ocorrendo. A vegetação não teria evoluído, como o tem feito, sem a participação dos herbívoros. De fato, nos ecossistemas naturais o que encontramos é um gradiente de exploração, desde intensidades máximas em pontos muito específicos, até outros onde os fitófagos praticamente não atuam. Conservar, pois, é manter estes gradientes naturais.

Os Herbívoros Integrados no Sistema

As pastagens semi-naturais nasceram graças a atividade dos animais herbívoros, e formam um sistema conjunto com eles. Não é possível manter as pastagens sem animais que as consumam, ou sem pessoas que as adubem e cortem amiúde. No primeiro caso consegue-se uma estabilidade maior e os gastos de exploração são compensados com folga, com os ingressos da pecuária.

Há que tratar de manter um equilíbrio entre o dinamismo das pastagens e a estabilidade proporcionadas pelos retículos florestais, ou seja, um equilíbrio entre a exploração e a conservação ao mesmo tempo. Este tipo de exploração conservacionista opõe-se à má gestão da exploração, isto é, à rapina e à espoliação.

O pastoreio por parte dos herbívoros induz ao aumento das plantas adaptadas ao mesmo, o que contribui para a manutenção do sistema. Uma má gestão do gado atuante sobre as pastagens pode levar a alguma das seguintes situações:

Pastoreio excessivo: Aumenta o desfolhamento das plantas e sua sensibilidade frente o “stress” hídrico. Também aumenta-se o pisoteamento. Tudo isto impede a recuperação das espécies herbáceas formadoras das pastagens, contribuindo para a desnudação e erosão dos solos.

Pastoreio escasso: Provoca o aparecimento de espécies pouco palatáveis para os herbívoros domésticos. É reforçada desta maneira a tendência sucessional natural para a formação de floresta.

Pisoteamento excessivo: Produz a compactação do solo, o que pode criar ambientes edáficos anaeróbios. Pode-se limitar assim a reciclagem natural de nutrientes e o funcionamento das raízes das plantas.

Importância dos Retículos Silvi-pastorais

As pastagens, como mencionado anteriormente, originaram-se pela atividade dos animais herbívoros, assim como por outros fenômenos (incêndios florestais, deslizamentos, etc.) sobre as zonas florestais. Isto ocasionou o aparecimento de uma zona de borda da floresta, dominada por cipós e arbustos protetores, ao redor do que tinha sido a ferida da floresta, cicatrizada em forma de comunidades vegetais lenhosas de rápido desenvolvimento ou comunidades herbáceas de crescimento ainda mais rápido. Constituíram a origem dos campos atuais, em decorrência da exploração natural da floresta. Nos campos naturais atuais predominam os tipos de ervas grandes e tenras, enquanto que nos limites entre estes campos e a floresta encontramos plantas e arbustos que rebrotam com grande facilidade (sarças, aveleiras, etc.).

Já nos campos semi-naturais explorados pela pecuária estas zonas limites, florestais ou semi-florestais, têm grande importância. Contribuem para estabilizar as pastagens que, de outra maneira, perderiam material rapidamente pelo grande dinamismo do sistema, e também facilitam o ordenamento dos mesmos pela exclusão temporária do gado dos campos ceifados. São estruturas que facilitam a regulação e gestão das pastagens. Conhecendo a importância destas estruturas, pode-se realizar uma visão crítica de alguns dos desenvolvimentos efetuados até agora, como as florestas de pínus e eucaliptos, que carecem do tipo de formações vegetais capazes de realizar esta função; ou o conceito negativo que se tinha até recentemente do pastoreio por parte da cabra, que pode constituir-se em um elemento auxiliar desbastador dos sarçais e arbustos vivos, assim como um bom fertilizador das pastagens.

Finalmente, há que dar especial ênfase ao papel protetor dos corta-ventos e florestas protetoras para as pastagens. O melhor corta-vento, e o mais econômico, seria uma floresta natural densa, com boas zonas de sarçais e de arbustos antes de chegar às pastagens. Suas funções: evitar a erosão em encostas fortes, diminuir o efeito de ventos violentos, de escoamentos fortes durante temporais freqüentes, reter a neve no inverno, etc. Produzem, definitivamente, estabilidade paisagística.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe seu comentário!
Por favor, coloque seu nome aqui